lucas arantes

http://www.myspace.com/lucasarantes

Crítica no jornal Estado de S.P de hoje sobre a peça SUSPENSÃO

with 6 comments

O mundo que acaba, mas continua

Em Suspensão, o grupo Acima do Bem e do Mal, de Ribeirão Preto, surpreende com espetáculo original e de clima intenso

(Mateus Barbassa – que substitui Lucas Chaves – e Maria Angélica Braga, foto de Adalberto Lima)

JEFFERSON DEL RIOS,

Crítica, ESPECIAL PARA O ESTADO

Pode-se chamar Suspensão de um espetáculo estranho, e, em parte, será elogio. A produção do grupo Acima do Bem e do Mal, de Ribeirão Preto, têm clarões, pontos dispersos ou obscuros, mas, quase sempre, um clima intenso. É teatro na vertente existencial, entre Beckett e Sartre, com o ponto de vista de um autor novo, Lucas Arantes. O dramaturgo de 23 anos, também jornalista profissional, teve outros aprendizados, dentre eles a psicanálise que estudou por quatro anos. Ecoar Freud em meio a temas filosóficos e mitológicos é tentador; o difícil é dar-lhes arcabouço e consistência como literatura. Lucas, que também faz poesia e romance (O Outro Estranho) corre seu risco no teatro. Consegue em parte seu objetivo.

Na primeira sequência, a peça reúne um trio (o casal e o avô) que se descobre sozinho no mundo. As cidades, os objetos, comida, combustível e dinheiro estão intactos, mas a humanidade desapareceu. De início, o benefício de serem donos de tudo preenche suas vidas. O que se segue, porém, é o tédio perplexo e, em seu prolongamento, os choques de interesses. Colapso familiar quando se revelam carências, sonhos e medo.

No segundo movimento, surge, assim, do nada, uma dupla estranha, improvável, mas não impossível, de sobreviventes ou fruto do delírio coletivo. Todo conflito gira em torno deste beco sem saída. O autor faz seu contraponto a Entre Quatro Paredes. Se na obra de Sartre “o inferno são os outros”, Lucas, ao contrário, proclama a importância do outro na nossa existência. Esclarece, porém, que quando se refere ao “outro” não pensa somente em outra pessoa, mas nos mecanismos simbólicos construídos pela sociedade como jornais, religiões, ambiente de trabalho, enfim, todos os rituais diários. Durante a ação, essas figuras, embora habitando um espaço real (são mencionadas algumas cidades), vivem no território mental das obsessões. A tensão maior surge com a fantasia da mulher em repovoar a Terra com o marido. De quebra, o que fazer do velho? Até aqui vai a linha mestra da história.

A seguir se dispersa em acréscimos próximos à ficção científica (referências aos mecanismos da reprodução humana, por exemplo). Foi esquecido que Kafka e Beckett criaram situações basicamente esquemáticas. A transcendência delas está na linguagem de múltiplos subentendidos; ou no silêncio. A outra parte, visual, a que se assiste, é acréscimo da encenação sobre estes ambientes (Orson Welles recriou O Processo. É cinema de Welles e puro Kafka).

O diretor Mateus Barbassa domina o espaço, efeitos de luz e som e, sobretudo, o muito bom rendimento do elenco. Todo o projeto é marcado pela vontade de realizar um “teatro pós-dramático” do ensaísta alemão Hans-Thies Lehmann.

O termo, já meio tedioso pela saturação de tantos “pós”, refere-se, entre outras premissas, à fragmentação da linguagem, ao fim da linearidade psicológica e a inclusão de recursos audiovisuais à narrativa. Não será mal, contudo, se autor e grupo atentarem para a ansiedade da influência que revelam com tantas citações postas em cena. O nome da companhia é engenhoso, mas este “acima do bem e do mal”, ironia à parte, pode levar a uma autossuficiência hermética, hostil ao espectador. É comum se dizer que o artista tem a obrigação de se reinventar a cada dia. Só que a pressa em ser “pós-alguma coisa” pode dispersar energias. O ideal é que o nome Acima do Bem e do Mal seja uma brincadeira, não uma certeza fechada em si mesma.

Quando não estão tão preocupados com Lehman, o diretor e companheiros apresentam um teatro vital. Por outras palavras, enquanto o talento de Lucas Arantes e Barbassa correm mais esquecido de ser contramão, os bons intérpretes Fernanda Lins, Maria Angélica Braga, Ademir Esteves, Davi Tostes, Lucas Chaves levam a montagem a um nível do qual Ribeirão Preto deve orgulhar-se e que, discretamente, se faz notar em São Paulo.

Anúncios

Written by lucasarantes

fevereiro 3, 2010 às 11:28 am

Publicado em teatro

Tagged with , ,

6 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. PARABENS 🙂 tenho muito orgulho de vcs!!!! fiquei emocionada agora 🙂

    Francesca Cricelli

    fevereiro 3, 2010 at 12:22 pm

    • lindo, né? Vamos comemorar!!!

      lucasarantes

      fevereiro 3, 2010 at 1:03 pm

  2. CARALHO, foda hein!

    parabéns aí Lucas.

    Sorte. 🙂

    abs.

    Cadu

    fevereiro 3, 2010 at 8:29 pm

  3. Parabens, meu fioo….
    abrs

    Caio

    fevereiro 4, 2010 at 12:25 am

  4. Torço para que um dia apresente uma nova produção daquela peça em São PAulo,do “Ensaio sobre os SOnhos”, acho q a galera iria pirar….

    cara, acabei de ler o Odisseia, uma obra de arte….
    Abrs
    Caio

    Caio

    fevereiro 6, 2010 at 6:17 pm

  5. Parabéns a todos, mas um parabéns especial ao amigo Davi: sorte, sucesso, estaremos sempre torcendo por vc! bjs meus e do Saulo.

    (Ah, não é ruim ficar entre o bem e do mal…”o artista tem a obrigação de se reinventar a cada dia…”)

    Elaine

    fevereiro 7, 2010 at 4:02 pm


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: